Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário de uma divorciada

Divorciada Pobre ou Mal-Casada Rica?

 

Com a nova lei do divórcio o famigerado “golpe do baú” tem os dias contados, o que pode ser interpretado como boa ou má notícia para quem ainda considerava a hipótese de ter em conta a situação financeira dos seus eventuais pretendentes como critério para arranjar marido. Estava capaz de garantir, quase com 99% de certezas, que era esta a ideia em mente dos senhores que propuseram esta alteração específica à lei vigente, à par de uma outra bastante mais evidente que é a preservação do casamento a qualquer custo.
Na prática o facto de “a partilha passar a fazer-se como se os cônjuges tivessem estado casados sem comunhão de adquiridos, mesmo que o regime convencionado tivesse sido a comunhão geral” pode ser traduzido como “a parte economicamente menos favorecida, ainda que tenha contribuído de outras formas para o bem-estar da vida familiar, se quiser sair, terá que fazê-lo com uma mão na frente e a outra atrás”.
As mais obstinadas terão que arranjar formas de contornar a questão, à semelhança do que fazem uns tipos que andam para aí a fugir aos impostos e que não têm medo de ninguém.
O casamento por amor é politicamente correcto, mas não vamos ser hipócritas ao ponto de fecharmos os olhos às restantes motivações que levam as pessoas a contrair matrimónio, entre elas o medo da solidão, o ganhar algum status social como pertencente a uma família dita tradicional e, obviamente, a conquista de maior poder de consumo ou mera sobrevivência.
À luz das novas imposições colocadas ao divórcio, uma pessoa que case para alcançar um maior desafogo económico tem apenas uma hipótese: casar e manter-se casada, pois sendo que a maior parte da fatia social em condições economicamente mais desvantajosas ainda são as mulheres (e aqui dou razão ao nosso PR), não lhes resta grandes alternativas: ou têm a sorte de nascer bem na vida ou têm a sorte de arranjar um marido bem na vida, já que as hipóteses de um emprego bem remunerado são escassas para o sexo feminino.
Quem é que é tradicionalista, quem é?

8 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D