Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Diário de uma divorciada

A política do divórcio

Já repararam que o estatuto de solteiro é irrecuperável tanto no nosso B.I. como na atitude que “deveremos” adoptar face à nossa nova condição de pessoa divorciada, ou separada (e nunca solteira ou livre). Afinal, que democracia é esta!??
Quase sempre associamos o divórcio a um acontecimento negativo na nossa vida, tal perspectiva deve-se a variados motivos, onde o mais forte é, sem sombra de dúvida, a pressão quer da família quer da sociedade a que estamos sujeitos desde o “a priori” até ao “à posteriori” daquilo que marca a nossa existência enquanto seres sociais: o casamento. O casamento, esse eleito umas vezes pela maioria absoluta do nosso coração, outras apenas nomeado pelas simples convenções sociais.

Existem duas grandes forças manifestamente presentes num período pré-divórcio; duas forças que, ainda que não existam fisicamente, estão presentes no momento da nossa tomada de decisão e são elas: os conservadores e os revolucionários. A luta é grande até que o candidato a divorciado consiga vencer as duas quase sempre convencendo-as através de factos que colocam a felicidade do indivíduo acima das condições socio-morais. Finalmente conseguem, mas quando mal acabam de ajeitar-se para conviver harmoniosamente com uma madura aceitação vitoriosamente conseguida, eis que as duas forças que aparentemente haviam desaparecido se transformam em novas correntes ainda mais difíceis de ultrapassar: os conservadores transformam-se em moralistas e os revolucionários ramificam-se em conformados, insatisfeitos, coitadinhos e novos revolucionários.

É dos novos revolucionários que surge e deverá surgir uma nova política: a política positiva: é ela a que gostaria de destacar, apelando ao vosso bom senso para deixá-la ser o novo poder político da vossa vontade e realização; façam um referendo ao vosso coração e antes de mergulharem novamente na ditadura maquiavélica do vosso descontentamento, antes de se armarem em patinhos feios e chorarem baba e ranho pela oportunidade perdida, façam o favor de arregaçar as mangas e seguir em frente, marchando orgulhosamente como uma tropa treinada e armada até aos dentes de sorrisos e flores.

E já agora um slogan para quem se queixa de solidão: haverá multidão maior do que aquela que habita a nossa consciência!?
 
 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D