Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário de uma divorciada

Diário de uma divorciada

09.Nov.07

Mar de Memórias

Remexer no passado é quase como nadar em seco.
Não gosto de remexer no passado, mas há marés na vida em que temos mesmo de o enfrentar, quanto mais não seja porque o passado é o único mapa que temos disponível para nos situarmos. O amanhã? O amanhã pode ser brisa ou tempestade. O futuro é o hoje e o agora; aquilo que se constrói neste momento.
Sempre dei as braçadas e os passos que achei serem os correctos num determinado contexto, por isso, raramente me arrependo do que “ficou para trás”.
Eras aquilo que eu julgava que fosses: o marido perfeito. Calmo, inteligente, certinho, trabalhador e mais uns quantos atributos que eu tinha como suficientes para construir a minha arca de Noé. Escolhi a nossa casa, os nossos móveis, o nome da nossa filha… Nas épocas especiais, arranjava programas românticos a dois, decorava a árvore e a mesa para receber os familiares de ambos os lados todas as noites de Natal e festejava sempre os teus aniversários ainda que me dissesses que não ligavas a “essas coisas”.
É verdade que eu tinha um casamento que, aos olhos de quem estava de fora, era o casamento ideal: um marido gentil que me fazia todas as vontades. O que quem estava de fora não sabia era que tu próprio não tinhas uma vontade e por isso era-te mais fácil deixares-te guiar. Assim, se as coisas algum dia dessem para o torto, como acabou por acontecer, sempre podias lavar dali as tuas mãos (que foi, aliás, o que virias a fazer). E o que quem estava de fora também não sabia era que eu poderia parecer ter tudo para ser feliz mas que, afinal, não tinha nada porque me faltava o básico: o teu esforço ou, pelo menos, o teu carinho e reconhecimento.
Quando se rema apenas para um lado, começa-se a andar em círculos e não se sai do mesmo sítio. E então, só nos restam duas alternativas: ou desistimos de remar e nos deixamos ir à deriva ou abandonamos o barco.
Não compreendo que, ainda hoje, não aceites o facto de eu ter decidido fazer-me ao mar em busca de terra firme. É que, afinal, não te afundaste e até arranjaste uma bóia a que te agarrar. E eu desejo, muito sinceramente, que mantenhas o rumo nessa tua nova vida. Mas sabes, a felicidade é uma rota que temos que tomar por nós próprios. Outras pessoas podem servir-nos de bússola mas somos NÓS que temos que enxergar o farol.
Eu continuo perto do mar. De vez em quando, a maré traz-me destroços do passado e também alguns troncos ocos que eu vou aproveitando para construir a minha canoa. Está quase pronta e, a nossa filha, já a ensinei a remar.
Vou contar-te um segredo: não fora por ser mãe, eu jamais me lembraria que sou, apenas e também, mais uma divorciada.

21 comentários

Comentar post