Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário de uma divorciada

Técnicas de Caça

Ok. Estar-se sozinha, ser-se independente e desenrascada é óptimo e recomenda-se, mas tal não significa propriamente que uma pessoa queira deixar-se apodrecer na árvore, tipo laranja azeda, enquanto outras se vão transformando em doces compotas.
A questão é que enquanto adolescentes, os namoros surgem de forma quase sempre espontânea, basta para isso fazermos parte de um grupo. A partir dos trinta, é mais complicado. A maioria das nossas amigas estão quase todas casadas e não lhes sobra muito tempo para nós. Por outro lado, é a nossa falta de disponibilidade e jeito para conhecer novas pessoas, seja porque não sabemos muito bem onde procurar seja pela dificuldade da abordagem.
Ora bem, a não ser que invistamos toda a nossa fé no rapaz das pizzas, fecharmo-nos em casa, por norma não resolve.
Eis pois algumas dicas práticas que podem ser aplicadas no dia-a-dia de qualquer comum mortal que mesmo não garantindo uma eficácia a 100%, não são conhecidas quaisquer contra indicações. E quem não arrisca…
-  No Hipermercado é fazer uma ronda à zona de acessórios auto ou de bebidas. Às vezes andam por lá uns tipos interessantes e solitários. Basta apenas uma aproximação, como quem não quer a coisa, seguida de um pedido de opinião sobre um daqueles artigos. Não falha!
- Arranjar um cão para ir passear aos locais onde habitualmente passeiam outros canídeos, acompanhados, como é óbvio, dos respectivos donos. É aconselhável ler um daqueles manuais acerca de raças para haver um tema de conversa inicial.
-  Ir até à praia e “abancar” perto de um tipo giro que esteja sozinho com uma criança (normalmente é divorciado) e, à primeira oportunidade, meter conversa com o petiz.
-  Levar uma criança a um parque infantil. Os miúdos são muito dados e nem demoram cinco minutos para fazer um novo amigo. Com alguma sorte, a outra criança pode lá estar com o pai que por sinal é bom como o milho e está sozinho como nós.
- Clubes de vídeo e bibliotecas: avista-se a “presa” com um filme ou livro na mão e pede-se um parecer técnico acerca do assunto (os afagos ao ego são os mais eficazes – hehe)
- O ginásio também é uma boa coutada. Não há solitário que se preze que não passe pela fase do ginásio. E dá para se ficar ali a olhar descaradamente sob o pretexto de estarmos “só”a ver como a máquina funciona.
Muito importante: não deixar de frequentar a casa dos amigos de sempre, pois ainda que estejam casados, não deixam de ter primos, irmãos, cunhados e até outros amigos.
Assim, de repente, não me ocorre mais nada, mas se quiserem contribuir, estejam à vontade, quanto mais não seja, pela universalidade da causa.
Boas caçadas!

26 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D