Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário de uma divorciada

Diário de uma divorciada

31.Out.07

Noite das Bruxas

Desde há uns anos para cá, todas as noites das bruxas se tornaram memoráveis para mim, e nem sempre pelos melhores motivos.
Antigamente acontecia-me sempre alguma pelo Carnaval. Aliás, ainda hoje, onde quer que haja um palhaço, lá está a boa da Ana metida em sarilhos. Mas, adiante…
Foi há precisamente dois anos. Juntamo-nos num grupinho de cinco e lá fomos nós todas rumo ao bar de um amigo em Cascais festejar o Halloween. Eu ia a preceito: saia preta, chapéu bicudo e umas olheiras roxas que a minha amiga Sara me grafitou. Só vos digo que nessa noite recebi 3 rosas, pelo que devia estar deliciosamente horrenda!! O responsável de uma das oferendas, armou-se assim em mais atrevidote e resolveu meter conversa: que se chamava David, que tinha 35 anos e que achava que eu poderia ser a sua alma gémea. Os engates de bares e afins não me dizem grande coisa, mas eu estava divertida e o tipo até tinha boa figura: era giro, vestia bem e parecia ter conteúdo. Acabamos por trocar os números de telemóvel e a coisa ficou por ali.
No dia seguinte, recebo um contacto dele a convidar-me para tomar um café a pretexto de nos conhecermos melhor. Concordei e até decidi enviar-lhe uma foto minha sem “máscara” não fosse o homem não me reconhecer. Aconteceu que, à última da hora, resolvi não ir e liguei-lhe a dar uma tanga qualquer. E ainda bem que o fiz…
Ao cabo de uma semana, recebo um telefonema de uma voz feminina praticamente histérica a perguntar-me quem eu era pois tinha visto a minha foto no telemóvel do marido (xiiiiii! Já está!!): “Daqui quem fala é a mulher do David. Conhece?” e eu: “vagamente, sim”. “Olhe, vou mandar-lhe uma foto da nossa bebé para você ver como ela é linda!” – Uoopsss!!! E não é que mandou mesmo!?
Bem, se eu fosse mesmo uma bruxa à séria tinha-lhe contado como conheci a vedeta e da forma descarada como ele tentara engatar-me, mas resolvi poupá-la e retirei-me airosamente (a criança era, de facto, uma ternurinha!!).
Ora, não é que eu acredite em bruxas, mas nunca se sabe…. Por isso, este ano,  e por via das dúvidas, vou manter-me em casa, muito sossegadinha, não vá o feitiço virar-se outra vez contra a feiticeira! Hihihihi!
Happy Halloween  para vocês!

28 comentários

Comentar post

Pág. 1/2