Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário de uma divorciada

Diário de uma divorciada

28.Ago.07

Águas Passadas...

O amor murcha, adormece, torna-se moribundo. Um dia morre e a sua semente lançada no solo das emoções passadas, torna-se infértil.

O tempo tudo muda: saudades tornam-se medos e o medo dá lugar ao esquecimento. O esquecimento é cobarde; o esquecimento é uma incapacidade psíquica de voltar atrás.

 

Há dias dei de caras com um ex-amor assolapado.

Fiquei ali a reparar nos traços do seu rosto e a absorver o passado…

Foi estranho ver aquele quadro estático a tentar sintonia algures na memória. O sorriso era o mesmo de há alguns anos, mas o olhar desmentia a magia de outrora: nem um pingo de mistério, nem uma migalha de doçura. Tudo se esfumou com o passar lento das horas.

 

O máximo que se pode esperar de um amor antigo não é que renasça das cinzas mas, quiçá, num outro rosto mais adequado ao presente como uma velha fábula adaptada.

 

O que já não é pouco para quem tinha deixado de acreditar...

4 comentários

Comentar post